Archive for janeiro \17\UTC 2011

Bancos Americanos à Beira da Falência

Revela-se que apesar das ajudas da Reserva Federal e de injecções de 4,2 mil milhões de dólares dos contribuintes, 98 bancos norte-americanos estão à beira da falência.

“Crédito mal-parado, descapitalização e pressões dos reguladores” são os principais factores que afectam as instituições em risco, adianta o WSJ. No entanto, de acordo com a análise, os problemas daqueles bancos eram anteriores a 2008, ano do colapso do sistema, facto que adensa a percepção de que os reguladores andaram a dormir na forma durante “anos ou décadas”.

Para se ter uma ideia da dimensão do problema, mais de metade dos fundos de salvação financeira (2,7 mil milhões) foram absorvidos por apenas 7 (sete) bancos. Os outros 91 tiveram que ratear o resto entre si, o que criou dinâmicas sistémicas novamente perversas e perigosas.

Os grandes bancos dos Estados Unidos têm tido acesso praticamente ilimitado a generosos mecanismos de ajuda de emergência, em detrimento dos mais pequenos. Por isso, vão continuar a correr riscos exagerados e a expandir os seus negócios de forma irresponsável agravando ainda mais os já evidentes problemas de concentração no sector. A lógica dos mega banqueiros é que os seus bancos “são grandes demais para falirem” e que nunca faltarão fundos para os salvar da insolvência.

 

Segundo a análise do WSJ, mais de 10% dos 7.760 bancos americanos têm problemas financeiros. No entanto, em novembro passado demos conta de que este valor já pecava por defeito, de acordo com dados oficiais da FDIC, organismo de garantia financeira dos depósitos, nos EUA.

A empresa independente de notação financeira Weiss Ratings, segundo dados publicados hoje, indica que os bancos norte-americanos em situação de insolvência (E- ou superior) e de pré-falência (D+ ou inferior) totalizam 2.612, cerca de 30% da totalidade de todas as instituições que operam no paí.

Anúncios

Morte dos Pássaros: Outro Lado da Estória

Esses pássaros são da mesma espécie. Poderiam estar voando em formação ate que algo ocorreu. Podem ter entrados numa nuvem poluente.Mas segundo as pesquisas: eles sofreram traumas físicos,não causado pela queda.Eles foram feridos no ar.
.
Eles devem ser pássaros migratórios. Podem ter se contaminada e outra área, isso indica que morrem +- ao mesmo tempo, mas a velocidade da contaminação demorara de animal para animal, isso indica a distância que entre os grupos que morreram. Mesmo que cada grupo tenha corpos perto um do outro.
.
O que não creio é que são teste de arma químicas.
Pensem bem. Contaminar grupos de pássaros migratórios que viajam distâncias extraordinárias, caído por aí, para qualquer pessoa pegar um cadáver e dissecar em laboratório, saber o que o matou, conhecendo a espécie e sabendo de onde vem, para onde vão (rotas migratórias).
.
Os americanos muitas vezes são bobos, mas não são burros. Testar armas biológicas em pássaros que podem contaminar pessoa em várias cidade de várias regiões de seu próprio território, é coisa de filme de Hollywood, não da realidade. Ninguém é louco para isso, nem terroristas.
.
Jogar fosforo branco em pessoas de coisa de gente “encapetada”, e não valo na entidade demoníaca, mas em gente ser amor a vidas. Mas em caso de armas, o interesse é político e financeiro, não abrindo espaço para esses teste ridículos. Pensem de forma fria e verão que não é armas.
.
No máximo tiveram um ataque de panico com os fogos de ano novo ou se envenenaram em algum lugar, seja de fumaça tóxica ou comeram coisa contaminada. Sabem como são as empresas. Poluindo os rios, lagos e plantas.
.
Os animais que se cuidem, ou também serão extintos.

Os americanos, junto aos britânicos, usaram aviões para jogar Nitrato de Prata para “semear nuvens” de chuva e provocar Chuva Artificial.
Esse material é só o reagente para a formação da tempestade. A precipitação já é natural pela própria aglutinação e aumento de densidade das nuvens.
O problema é que o Nitrato de Prata uma substância muito perigosa.
Essa pode ser um grande prova do que os envenenou.
Já a magnetosfera, não tem força o bastante nem para nos dar câncer, quanto mais matar esses animais.

.
Sobre o projeto HAARP. Há relatos de que um C-17 americano andou jogando uma substância muito estranha na atmosfera que fez que alguns aviões que voavam a grande altura terem problemas nas turbinas. Houve relatos de aeronaves das FFAA dos EUA mandaram aeronaves civis que voavam a grande altitude descerem repentinamente, por onde de “restrição de espaço aéreo” e de ameaça de abate. É claro que um piloto não iria dizer isso em público e continuar vivo para afirmar, a menos que não tivesse provas, pois pensaria que era mais um ” louco da conspiração”.
.
O que tem haver com HAARP?
.
O projeto HARRPA, pelo menos na versão conspiratória, é de que uma poderosa onde de rádio de baixa intensidade é direcionada para a atmosfera a fim de que venha a reagir com a magnetosfera, fazendo-a elevar para cima, uma reação que faria a atmosfera fazer o mesmo.
.
O que faz?
.
Manipulando a atmosfera, pode-se, teoricamente, manipular o clima. Um grande exemplo é uma matéria de um vídeo sobre como poderia alterar a trajetória de um tornado antes que chegasse ao continente, evitando destruições e morte.
.
Mas como conhecemos o ser humano, não é espantoso de se esperar que seja usado para uma futuro Guerra Climática, como dizem os especuladores da conspiração. Uma grande forma de se acabar com a maior parte da humanidade.
.
O material estranho?
.
Seria uma forma de potencializar os efeitos na atmosfera.

General Walter Sharp: EUA podem destruir pontos de lançamentos de mísseis da Coreia do Norte

AFP  –  Os Estados Unidos têm os meios necessários para destruir os pontos norte-coreanos de lançamento de mísseis e para impedir que Pyongyang utilize isso para ameaçar seus vizinhos, afirmou o comandante das forças americanas na Coreia, general Walter Sharp.

“A aliança tem a capacidade de fazê-lo”, declarou o oficial à rede de televisão pública PBS em uma entrevista que o canal transmitirá na próxima semana.

“Devemos estar dispostos, primeiro a persuadir, mas se a dissuasão não funcionar, a responder. E isto envolve a capacidade (…) de não permitir que a Coreia do Norte lance um míssil Taepodong ou um míssil balístico intercontinental (ICBM)”, acrescentou.

Israel: só ameaça militar pode deter programa nuclear do Irã

O premiê israelense, Benjamin Netanyahu, acredita que o Irã continua empenhado em se munir de armas atômicas
Foto: EFE

EFE  –  O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse nesta terça-feira que só “uma ameaça militar crível” poderá frear o polêmico programa nuclear do Irã. “As sanções ao Irã não atingiram seus objetivos. O Irã continua empenhado em se munir de armas atômicas e só uma ameaça militar crível irá frear seu programa nuclear”, declarou Netanyahu em entrevista coletiva.

O chefe de governo israelense afirmou que o Irã é o maior motivo de preocupação no Oriente Médio. Segundo ele, 2010 foi o ano em que a comunidade internacional se conscientizou do “perigo” que representa o regime de Teerã. “A principal prioridade na região é o Irã, a segunda o Irã e a terceira o Irã”, afirmou o Netanyahu, para quem os iranianos só desistirão de seu suposto desejo de aceder ao armamento atômico se houver uma ameaça militar crível.

Ele alegou que as sanções internacionais contra o regime de Teerã “não foram suficientes”. Netanyahu comentou que 2011 “será o ano em que se saberá quem quer a paz no Oriente Médio” e disse que “não há povo no mundo que queira mais a paz do que o povo de Israel”.

O primeiro-ministro israelense acusou a Autoridade Nacional Palestina (ANP) – presidida por Mahmoud Abbas – de “se afastar da paz” porque “se afasta da negociação”. Para Netanyahu, “os palestinos se afastam da negociação com sua postura de impor pré-condições à negociação”, referindo-se à exigência da ANP de que Israel detenha a construção dos assentamentos judaicos antes de retomar as negociações.

É esse o modo como Israel tenta negociar a ”Paz” na região,através de um conflito armado que iria piorar a situação no Oriente Médio.

A solução é o diálogo!